Anúncios

Quando se trata de educação financeira, é comum pensar sobre onde é melhor guardar o dinheiro. Afinal, a realização dos sonhos depende das nossas economias que, se não aplicadas estrategicamente, podem dificultar a realização dos objetivos.

Para se ter uma ideia, a poupança sempre foi um dos lugares mais requisitados para armazenar dinheiro, uma prática vinda das últimas gerações e em uma época em que não se tinha tantas opções de investimentos.

Embora seja segura e sem custos para mantê-la ativa, a poupança é rentável e seus benefícios não são exclusivos. Mesmo assim ainda é uma solução confortável para iniciantes, o que mostraremos em breve.

Mas, de fato, quais são opções no mercado mais lucrativas? Neste artigo separamos seis ideias para guardar dinheiro para que você tenha um retorno financeiro sustentável e, assim, concretize seus projetos. Confira!

Qual a diferença entre investimento financeiro e reserva de emergência?

Em primeiro lugar, antes de sugerirmos onde é melhor guardar dinheiro, é preciso entender o que significa investimento e reserva de emergência. Investimentos estão associados a reservas com probabilidade de retirar o dinheiro após um período longo, como a aposentadoria ou a compra de imóveis.

Já as reservas de emergência servem para cobrir imprevistos, como, por exemplo, tratamento de saúde, compra de um produto, serviço ou para despesas básicas durante um desemprego. Por isso, antes de decidir onde guardar o dinheiro é preciso saber para qual destino você pretende usá-lo.

Afinal, onde é melhor guardar dinheiro?

Quer investir no lugar certo? Então confira seis possibilidades de aplicações financeiras, cada um com características e propósitos diferentes. Confira:

1. Poupança

Como vimos anteriormente, a poupança deixou de ser a opção mais rentável com a chegada de outros recursos, mas ainda é interessante para quem nunca aplicou dinheiro, como, por exemplo, jovens que ganham mesada e sonham com a faculdade.

Nesse sentido, a poupança traz três benefícios:

  • liquidez imediata;
  • tem proteção do Fundo Garantidor de Crédito;
  • não tem cobrança de taxas e impostos.

Como a taxa de juros é uma das melhores do mercado, o rendimento do dinheiro quase sempre é muito baixo, principalmente quando a inflação está em alta.

Quer um exemplo? Segundo os dados da Economática, provedora financeira, há 12 meses que a rentabilidade da poupança segue em negatividade desde que a inflação deu um boom, chegando a marca de 10,25%.

Outro adendo é que para os juros acumulados ao investimento serem rentáveis é necessário que a quantia armazenada esteja na conta por, no mínimo, 30 dias.

2. Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional e da Bolsa de Valores de São Paulo (a famosa B3) que consiste na venda de títulos públicos federais para pessoas físicas.
Funciona como se você emprestasse seu dinheiro para o Governo Federal realizar obras de infraestrutura e de melhorias no estado.

Embora pareça uma ação arriscada, o dinheiro é devolvido no prazo combinado e com acréscimo do percentual de juros, isso porque o Tesouro Direto define o valor pago a cada título com base na taxa Selic e nas metas da inflação.

3. CDB

O Certificado de Depósito Bancário é um investimento de renda fixa. Na prática, é emprestar o dinheiro ao banco para receber uma remuneração com juros.

Entre suas vantagens, o CDB tem liquidez diária, isto é, não há um prazo mínimo para resgatar o dinheiro. Por essa razão, é importante planejar-se para retirar o saldo, e assim, evitar resgatá-lo frequentemente e acabar de vez com sua reserva.

Por outro lado, o CDB também tem a opção de prazo de vencimento predeterminado, que significa que o resgate só será realizado quando o prazo for cumprido, sendo assim uma excelente fórmula para conquistar lucros maiores.

4. LCI e LCA

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito de Agronegócio (LCA) são investimentos ligados diretamente ao mercado imobiliário. Elas têm dois atrativos: em primeiro lugar, estão integradas ao Fundo Garantidor de Crédito (FGC), e segundo é a isenção do Imposto de Renda.

No entanto, os dois recursos exigem um investimento inicial de R$5 mil, além da carência de 90 dias para resgatar qualquer valor. A diferença fundamental entre as duas é que na LCA o dinheiro é destinado para fomentar investimentos no setor de agronegócio.

5. Previdência Privada

Aplicado em renda fixa, este tipo de investimento é feito unicamente por período ou mensal, em que a rentabilidade se torna elevada com o passar dos anos.

Existem planos de previdência que descontam o valor investido na declaração do Imposto de Renda. Conforme o regime de tributação, é possível pagar uma taxa reduzida ou conquistar isenção no momento em que é realizado o resgate.

6. Corretora

Uma corretora de valores é um bom recurso para investir o dinheiro. Isso porque ela oferece uma série de aplicações raramente disponíveis pelos bancos, além da possibilidade de escolher diversos tipos de ativos.

Na realidade, uma corretora funciona como um e-commerce, sendo possível encontrar diversos tipos de produtos categorizados de acordo com o rendimento.

Nesse contexto, a XP Investimentos é uma boa alternativa no mercado. Com cerca de 20 anos de história, a corretora apresenta soluções pontuais para o investidor, desde o iniciante até o avançado.

Entre suas modalidades de rentabilidade, destaca-se a renda variável, que oscila com o mercado, mas que traz retorno significativo para o capital.

*Fonte:XpeedSchool

Anúncios